Intelectuais Feministas no Brasil dos Anos 1960

Intelectuais Feministas no Brasil dos Anos 1960

Carmen da Silva, Heleieth Saffioti e Rose Marie Muraro

ISBN: 9788546211081 AUTOR: Natalia Pietra Méndez

O livro “Intelectuais Feministas no Brasil dos anos 1960: Carmen da Silva, Heleieth Saffioti e Rose Marie Muraro”, é resultado não apenas de sua tese de doutorado, mas da militância intelectual da professora e pesquisadora Natalia Pietra Méndez. O text...

R$ 48,90 R$ 44,01
QTD.:

Mais Informações

Sinopse

O livro “Intelectuais Feministas no Brasil dos anos 1960: Carmen da Silva, Heleieth Saffioti e Rose Marie Muraro”, é resultado não apenas de sua tese de doutorado, mas da militância intelectual da professora e pesquisadora Natalia Pietra Méndez. O texto chega em um momento muito importante para a afirmação de uma luta política que está longe de terminar. Assuntos como criminalização do aborto, a negação de direitos à mulher trabalhadora, a violência contra as mulheres, a interdição de temas relacionados à igualdade de gênero nas escolas estão longe de serem pacificamente solucionados na nossa sociedade. Nunca se viu tanta aversão e ódio em relação aos direitos das mulheres e aos debates sobre igualdade de gênero como no Brasil de 2017. Por isso, a atualidade e importância do livro que ora apresento. Natalia Pietra Méndez oferece um estudo consistente sobre o pensamento e a trajetória de três intelectuais brasileiras que, em diferentes contextos, refletiram a respeito do feminismo e tiveram atuação destacada em seus campos de atuação. As mulheres deste livro, Carmen Silva, Heleieth Sa¬oti e Rose Marie Muraro, não tiveram “vida fácil” na sociedade brasileira dos anos 1960, culturalmente dominada por homens. Mas souberam aproveitar o espaço aberto a caro custo no jornalismo, na academia e no mercado editorial para falar da mulher e seus direitos negados. (Claudia Wasserman – UFRGS)


Número de Páginas

300


Formato

14x21cm


Ano de Publicação

2018


Área

História


1. Aproximações com o feminismo; 2. A década de 1960: a insurreição do “segundo sexo”; 3. O pensamento intelectual feminista no Brasil contemporâneo: primeiros percursos.